Você está aqui: Página Inicial » Redação » Construção Textual » Textos sem coesão

Construção Textual

Texto:
por: Luana Castro Alves Perez

Textos sem coesão


A coerência é elemento imprescindível para a compreensão do texto, já a coesão não precisa estar, necessariamente, representada por conectivos e elementos coesivos.





A coesão está relacionada com os conectivos que existem em um texto, mas é possível que um texto seja coerente sem apresentar elementos coesivos
A coesão está relacionada com os conectivos que existem em um texto, mas é possível que um texto seja coerente sem apresentar elementos coesivos



 Você já dever ter ouvido falar, ao longo de sua vida escolar, em coerência e coesão. Geralmente esses dois elementos aparecem assim, juntos, como fatores que estabelecem uma condição indissociável. Mas, para sua surpresa, nem sempre esses elementos caminham juntos e um texto coerente nem sempre carece de elementos coesivos, apesar de a tradição literária nos oferecer inúmeros exemplos contrários.

Um texto precisa ser sempre inteligível, ou seja, precisa ser coerente para ser compreendido, mas não precisa, necessariamente, ser coeso ou repleto de conectivos. Vamos ver alguns exemplos de textos que, apesar de coerentes, não apresentam conectivos como preposições, conjunções, pronomes, advérbios e locuções adverbiais e palavras denotativas.

Menino venha pra dentro, olhe o sereno! Vá lavar essa mão. Já escovou os dentes? Tome a bênção a seu pai. Já pra cama!

Onde é que aprendeu isso, menino? Coisa mais feia. Tome modos. Hoje você fica sem sobremesa. Onde é que você estava? Agora chega, menino, tenha santa paciência.

De quem você gosta mais, do papai ou da mamãe? Isso, assim que eu gosto: menino educado, obediente. Está vendo? É só a gente falar. Desça daí, menino! Me prega cada susto... Pare com isso! Jogue isso fora. Uma boa surra dava jeito nisso. Que é que você andou arranjando? Quem lhe ensinou esses modos? Passe pra dentro. Isso não é gente para ficar andando com você.

Avise a seu pai que o jantar está na mesa. Você prometeu, tem de cumprir. Que é que você vai ser quando crescer? Não, chega: você já repetiu duas vezes. Por que você está quieto aí? Alguma você está tramando... Não ande descalço, já disse! Vá calçar o sapato. Já tomou o remédio? Tem de comer tudo: você acaba virando um palito. Quantas vezes já lhe disse para não mexer aqui? Esse barulho, menino! Seu pai está dormindo. Pare com essa correria dentro de casa, vá brincar lá fora. Você vai acabar caindo daí. Peça licença a seu pai primeiro. Isso é maneira de responder a sua irmã? Se não fizer, fica de castigo. Segure o garfo direito. Ponha a camisa pra dentro da calça. Fica perguntando, tudo você quer saber! Isso é conversa de gente grande. Depois eu dou. Depois eu deixo. Depois eu levo. Depois eu conto.

Agora deixa seu pai descansar - ele está cansado, trabalhou o dia todo. Você precisa ser muito bonzinho com ele, meu filho. Ele gosta tanto de você. Tudo que ele faz é para o seu bem. Olhe aí, vestiu essa roupa agorinha mesmo, já está toda suja. Fez seus deveres? Você vai chegar atrasado. Chora não, filhinho, mamãe está aqui com você. Nosso Senhor não vai deixar doer mais.

Quando você for grande, você também vai poder. Já disse que não, e não, e não! Ah, é assim? Pois você vai ver só quando seu pai chegar. Não fale de boca cheia. Junte a comida no meio do prato. Por causa disso é preciso gritar? Seja homem. Você ainda é muito pequeno para saber essas coisas. Mamãe tem muito orgulho de você. Cale essa boca! Você precisa cortar esse cabelo.

Sorvete não pode, você está resfriado. Não sei como você tem coragem de fazer assim com sua mãe. Se você comer agora, depois não janta. Assim você se machuca. Deixa de fita. Um menino desse tamanho, que é que os outros hão de dizer? Você queria que fizessem o mesmo com você? Continua assim que eu lhe dou umas palmadas. Pensa que a gente tem dinheiro para jogar fora? Tome juízo, menino.

Ganhou agora mesmo e já acabou de quebrar. Que é que você vai querer no dia de seus anos? Agora não, que eu tenho o que fazer. Não fique triste não, depois mamãe dá outro. Você teve saudades de mim? Vou contar só mais uma, que está na hora de dormir. Agora dorme, filhinho. Dê um beijo aqui - Papai do Céu lhe abençoe. Este menino, meu Deus...

Menino, de Fernando Sabino.

Você deve ter observado que o texto de Fernando Sabino é um exemplo de texto coerente, mas sem coesão. Há várias frases soltas, sem elementos que as conectem, mas ainda assim é um texto perfeitamente compreensível. Isso acontece porque a coesão não é condição necessária nem suficiente da coerência, pois a coerência não está no texto, mas sim nos sentidos construídos pelo leitor. Para elucidarmos ainda mais nosso objeto de estudo, leia o texto “Circuito fechado”, de Ricardo Ramos:

Circuito Fechado

Chinelos, vaso, descarga. Pia, sabonete. Água. Escova, creme dental, água, espuma, creme de barbear, pincel, espuma, gilete, água, cortina, sabonete, água fria, água quente, toalha. Creme para cabelo; pente. Cueca, camisa, abotoaduras, calça, meias, sapatos, gravata, paletó. Carteira, níqueis, documentos, caneta, chaves, lenço, relógio, maços de cigarros, caixa de fósforos. Jornal. Mesa, cadeiras, xícara e pires, prato, bule, talheres, guardanapos. Quadros. Pasta, carro. Cigarro, fósforo. Mesa e poltrona, cadeira, cinzeiro, papéis, telefone, agenda, copo com lápis, canetas, blocos de notas, espátula, pastas, caixas de entrada, de saída, vaso com plantas, quadros, papéis, cigarro, fósforo. Bandeja, xícara pequena. Cigarro e fósforo. Papéis, telefone, relatórios, cartas, notas, vales, cheques, memorandos, bilhetes, telefone, papéis.

Relógio. Mesa, cavalete, cinzeiros, cadeiras, esboços de anúncios, fotos, cigarro, fósforo, bloco de papel, caneta, projetos de filmes, xícara, cartaz, lápis, cigarro, fósforo, quadro-negro, giz, papel. Mictório, pia, água. Táxi. Mesa, toalha, cadeiras, copos, pratos, talheres, garrafa, guardanapo, xícara. Maço de cigarros, caixa de fósforos. Escova de dentes, pasta, água. Mesa e poltrona, papéis, telefone, revista, copo de papel, cigarro, fósforo, telefone interno, externo, papéis, prova de anúncio, caneta e papel, relógio, papel, pasta, cigarro, fósforo, papel e caneta, telefone, caneta e papel, telefone, papéis, folheto, xícara, jornal, cigarro, fósforo, papel e caneta. Carro. Maço de cigarros, caixa de fósforos. Paletó, gravata. Poltrona, copo, revista. Quadros. Mesa, cadeiras, pratos, talheres, copos, guardanapos. Xícaras, cigarro e fósforo. Poltrona, livro. Cigarro e fósforo. Televisor, poltrona. Cigarro e fósforo. Abotoaduras, camisa, sapatos, meias, calça, cueca, pijama, espuma, água. Chinelos. Coberta, cama, travesseiro.

(Ricardo Ramos)

À primeira vista, o texto parece até uma série de palavras soltas, que o deixam com uma aparência que julgamos bem diferente daquilo que compreendemos como texto. Mas apesar de haver palavras aparentemente sem relação, especialmente quando fazemos uma primeira leitura, podemos chamá-lo sim de texto. Em uma leitura mais atenta, será possível observar que há uma articulação entre as palavras, com predominância de substantivos que são compreendidos à medida que o texto avança, demonstrando que há um significado implícito que explica a ausência dos conectivos.

Portanto, nem sempre um texto precisa ser coeso ou apresentar vários conectivos, contudo, para que seja classificado como um texto, é imprescindível que ele seja coerente, fornecendo elementos que facilitem a compreensão do leitor.