Você está aqui: Página Inicial » Gramática » Morfologia » O plural dos substantivos compostos

Morfologia

Texto:
por: Vânia Maria do Nascimento Duarte

O plural dos substantivos compostos


O plural dos substantivos compostos, formados por palavras já existentes.








Em se tratando do número dos substantivos, há que se mencionar que estes também são formados por palavras já existentes na língua – referimo-nos, de forma precisa, aos compostos. Mas, afinal, será que quando pluralizados obedecem também a pressupostos pré-determinados?

Para que possamos nos inteirar efetivamente acerca destas peculiaridades, antes de tudo, devemos nos conscientizar de que tal ocorrência está condicionada à forma como os substantivos se apresentam grafados, à característica das palavras que os formam (a que classe gramatical pertencem) e, sobretudo, à respectiva relação que estabelecem entre si.
Tudo isso nos leva a crer que a resposta para o questionamento anterior é mais do que positiva, concorda?

E por assim dizer, analisemo-las, tendo em vista os respectivos pormenores:

* Geralmente, aqueles compostos desprovidos do hífen assemelham-se aos substantivos simples, quando pluralizados.
Exemplos:

girassol – girassóis
malmequer – malmequeres
pontapé – pontapés...


* Já aqueles cuja junção se materializa pelo emprego do hífen, obedecem a algumas regras práticas. Vejamo-las:

a) No caso de ambos os elementos pertencerem à classe de palavras variáveis, estes são flexionados.
Exemplos:

guarda civil – guardas civis
primeira-dama – primeiras-damas
couve-flor – couves-flores
quarta-feira – quartas-feiras


b) No caso de compostos ligados por preposição, somente o primeiro elemento é flexionado.
Exemplos:

pimenta-do-reino – pimentas-do-reino
pé de moleque (adequando-se ao novo acordo) – pés de moleque


c) Em compostos cujo segundo elemento indica a finalidade, forma ou semelhança do primeiro, flexiona-se somente este.
Exemplos:

escola-padrão – escolas-padrão
pombo-correio – pombos-correio
salário-família – salários-família


Observação importante:

Há a possibilidade também de os dois elementos serem flexionados, em se tratando da regra anterior.
Exemplos:

pombos-correios 
salários-famílias


d) Flexiona-se somente o segundo elemento quando o primeiro se caracterizar por uma palavra invariável ou por um verbo.
Exemplos:

beija-flor – beija-flores
abaixo-assinado – abaixo-assinados
sempre-viva – sempre-vivas
alto-falante – alto-falantes


e) No caso de compostos em que o primeiro elemento é formado pelos termos “grã, grão e bel”, somente o segundo é flexionado.
Exemplos:

bel-prazer – bel-prazeres
grão-duque – grão-duques


f) No caso de compostos formados por palavras repetidas ou onomatopaicas, somente o segundo é flexionado.
Exemplos:

tique-taque – tique-taques
pingue-pongue – pingue-pongues
reco-reco – reco-recos
corre-corre – corre-corres


Detalhes importantes:

* Em formas verbais repetidas, haverá a possibilidade de os dois elementos serem flexionados.
Exemplos:

corre-corre – corres-corres
pisca-pisca – piscas-piscas


* No caso de palavras substantivadas, estas são invariáveis, demarcadas somente pelo determinante.
Exemplo:

o louva-deus – os louva-deus

* Invariáveis também ficam os compostos de verbos constituídos de elementos opostos, cuja demarcação se assemelha à regra anterior.
Exemplo:

o vai-volta – os vai-volta

Aproveite para conferir a nossa videoaula sobre o assunto:


Artigos Relacionados