Você está aqui: Página Inicial » Literatura » Arte literária » Tipos de estrofes

Arte literária

Texto:
por: Mariana Rigonatto

Tipos de estrofes


Os poemas são constituídos de dois ou mais versos que se agrupam para formar a estrofe, a qual pode apresentar diferentes tipos de arranjos em sua estrutura.





As estrofes são constituídas pelo agrupamento rítmico dos versos de um poema
As estrofes são constituídas pelo agrupamento rítmico dos versos de um poema



Observe os poemas abaixo:

(1)

Os miseráveis, os rotos

São as flores dos esgotos
 

São espectros implacáveis

Os rotos, os miseráveis
 

São prantos negros de furnas

Caladas, mudas, soturnas (...)
 

Faróis à noite apagados

Por ventos desesperados(...)
 

Bandeiras rotas, sem nome,

Das barricadas da fome.
 

Bandeiras estraçalhadas

Das sangrentas barricadas.

(Cruz e Sousa)

(2)

Vandalismo

Meu coração tem catedrais imensas,

Templos de priscas e longínquas datas,

Onde um nume de amor, em serenatas,

Canta a aleluia virginal das crenças.
 

Na ogiva fúlgida e nas colunatas

Vertem lustrais irradiações intensas

Cintilações de lâmpadas suspensas

E as ametistas e os florões e as pratas.
 

Como os velhos Templários medievais

Entrei um dia nessas catedrais

E nesses templos claros e risonhos...
 

E erguendo os gládios e brandindo as hastas,

No desespero dos iconoclastas

Quebrei a imagem dos meus próprios sonhos!

(Augusto dos Anjos)

Pela observação da estrutura desses poemas, percebemos que cada um possui um arranjo de versos diferente do outro, não é mesmo? Quando os versos de um poema agrupam-se em dois ou mais, de forma rítmica, temos a formação de uma estrofe. Em (1), por exemplo, há o agrupamento de dois versos por estrofe. Já em (2), podemos perceber que as duas primeiras estrofes são compostas por quatro versos, e as duas últimas são compostas por três versos. Assim, define-se como estrofe o agrupamento rítmico formado de dois ou mais versos, que, em geral, combinam-se pela rima.

Além disso, é preciso salientar ainda que o número de versos determinará o tipo de estrofe que o poema possuirá. Veja quais são os tipos de estrofes a seguir:

a) Dístico: é a estrofe que possui dois versos que rimam entre si.

Exemplo:

Os miseráveis, os rotos A

São as flores dos esgotos A
 

São espectros implacáveis B

Os rotos, os miseráveis B
 

São prantos negros de furnas C

Caladas, mudas, soturnas (...)C
 

Faróis à noite apagados D

Por ventos desesperados(...) D
 

Bandeiras rotas, sem nome, E

Das barricadas da fome. E
 

Bandeiras estraçalhadas F

Das sangrentas barricadas.” F

(Cruz e Sousa)

Veja que o esquema rítmico dos versos organiza-se em aa-bb-cc, etc.

b) Terceto: é a estrofe que possui três versos.

Soneto de Fidelidade

[...]

E assim, quando mais tarde me procure

Quem sabe a morte, angústia de quem vive

Quem sabe a solidão, fim de quem ama
 

Eu possa me dizer do amor (que tive):

Que não seja imortal, posto que é chama

Mas que seja infinito enquanto dure.

(Vinicius de Moraes)

Note que as duas últimas estrofes do conhecido poema de Vinicius de Moraes são compostas por três versos, e cada uma delas possui um arranjo rítmico do tipo abc-bca. Esse tipo de estrofe é muito comum na composição de sonetos, por exemplo.

c) Quadra: é a estrofe que possui quatro versos, e seu arranjo rítmico pode ser do tipo abab ou abba quando se tratar de poesia culta. Na poesia popular, ela é constituída de heptassílabos com uma única rima, do segundo com o quarto verso.

Exemplo:

(1)

Tenho dentro do meu peito

Duas escadas de flores,

Por uma descem suspiros,

Por outra sobem amores.

(Popular)

(2)

Quando passo um dia inteiro A

Sem ver o meu amorzinho, B

Corre um frio de Janeiro A

No Junho do meu carinho. B

Fernando Pessoa (1920)

d) Quintilha: é a estrofe que possui cinco versos. Normalmente, ela apresenta as rimas em um arranjo rítmico do tipo abaab, abbab e ababa.

Exemplo:

Outra do mesmo

[...]

Os Santos de longas terras A

Sempre foram mais buscados, B

Os da nossa estão cansados; B

Busquemos santos das serras, A

Que estão mais desocupados.” B

[…]

(Manuel Machado de Azevedo)

e) Sextilha: é a estrofe que possui seis versos. Nesse tipo de estrofe, o arranjo rítmico dos versos pode ser muito variado.

Exemplo:

Sextilhas Românticas

Paisagens da minha terra,

Onde o rouxinol não canta

Mas que importa o rouxinol?

Frio, nevoeiros da serra

Quando a manhã se levanta

Toda banhada de sol!
 

Sou romântico? Concedo.

Exibo, sem evasiva,

A alma ruim que Deus me deu.

Decorei "Amor e medo",

"No lar", "Meus oito anos"... Viva

José Casimiro Abreu!
 

Sou assim, por vício inato.

Ainda hoje gosto de Diva,

Nem não posso renegar

Peri, tão pouco índio, é fato,

Mas tão brasileiro... Viva,

Viva José de Alencar!
 

Paisagens da minha terra,

Onde o rouxinol não canta

Pinhões para o rouxinol!

Frio, nevoeiros da serra

Quando a manhã se levanta

Toda banhada de sol!
 

Ai tantas lembranças boas!

Massangana de Nabuco!

Muribara de meus pais!

Lagoas das Alagoas,

Rios do meu Pernambuco,

Campos de Minas Gerais!

(Manuel Bandeira)

f) Estrofe de sete versos: Como o nome já informa, são aquelas que possuem sete versos. No período clássico, elas possuíam um arranjo rítmico do tipo abbaac. Posteriormente, foram usados arranjos do tipo: aabcbbc; abababa; aabcddc; abbcddc; abacbac; aabaaca; abbacbc; abcdafd; ababcac; abcdbec; abcabbc.

Exemplos:

(1) Arranjo Clássico:

Cantiga

Leva na cabeça o pote,

o testo nas mãos de prata,

cinta de fina escarlata,

sainho de chamalote;

traz a vasquinha de cote,

mais branca que a neve pura;

vai formosa e não segura.
 

Descobre a touca a garganta,

cabelos de ouro o trançado,

fita de cor de encarnado…

tão linda que o mundo espanta!

chove nela graça tanta

que dá graça à formosura;

vai formosa, e não segura.

(Luís de Camões)

(2)

Romanceiro da Inconfidência

[…]

Choraremos esse mistério,

esse esquema sobre-humano,

a força, o jogo, o acidente

da indizível conjunção

que ordena vidas e mundos

em polos inexoráveis

de ruína e de exaltação.

[…]

(Cecília Meireles)

g) Oitava: é a estrofe que possui oito versos. Esse tipo de estrofe possui duas subdivisões: oitava heroica e oitava lírica.

- oitava heroica: possui oito versos decassílabos (com dez sílabas poéticas) cujo arranjo rítmico é abababcc;

- oitava lírica: possui arranjo rítmico variado.

Exemplos:

(1) Oitava heroica

Os lusíadas

Canto I

As armas e os barões assinalados, A

Que da ocidental praia Lusitana, B

Por mares nunca de antes navegados, A

Passaram ainda além da Taprobana, B

Em perigos e guerras esforçados, A

Mais do que prometia a força humana, B

E entre gente remota edificaram C

Novo Reino, que tanto sublimaram; C

(Luís de Camões)

(2) Oitava lírica

Marcha

[…]

Quando penso no teu rosto,

fecho os olhos de saudade;

tenho visto muita coisa,

menos a felicidade.

Soltam-se os meus dedos ristes,

dos sonhos claros que invento.

Nem aquilo que imagino

já me dá contentamento.

[…]

(Cecília Meireles)

h) Estrofe de nove versos: como o nome indica, possui nove versos que se arranjam em aabcdbcdb.

Exemplo:

Visio

Eras pálida. E os cabelos, A

Aéreos, soltos novelos, A

Sobre as espáduas caíam... B

Os olhos meio cerrados C

De volúpia e de ternura D

Entre lágrimas luziam... B

E os braços entrelaçados, C

Como cingindo a ventura, D

Ao teu seio me cingiam... B

(Machado de Assis)

i) Décima: esse tipo de estrofe caracteriza-se por ser a justaposição de uma quadra e uma sextilha, ou de duas quintilhas. A décima possui diferentes arranjos rítmicos.

Exemplo:

Décimas

Antes de ser fabricada

do mundo a máquina digna,

já lá na mente divina,

Senhora, estáveis formada:

com que sendo vós criada

então, e depois nascida

(como é cousa bem sabida)

não podíeis, (se esta sois)

na culpa que foi depois,

nascer, Virgem, compreendida

[…]

(Gregório de Matos)

Além dessas classificações, as estrofes ainda recebem uma diferenciação em relação à métrica de seus versos. Assim, elas podem ser:

1) Estrofes simples: aquelas que possuem versos de uma só medida.

Exemplo:

Rio de Janeiro, 1959
Vinicius de Moraes, Paulo Soledade

Ó / mi/ nha a / ma/ da

Que o / lhos / os/ teus

São/ cais/ no/ tur/ nos

Chei / os/ de a/ deus

São/ do/ cas/ man/sas

Tri/ lhan/ do /lu/ zes

Que/ bri/ lham/ lon/ ge

Lon/ ge /nos/ breus...

Perceba que cada verso possui quatro sílabas poéticas, ou seja, todos são versos tetrassílabos.

2) Estrofes compostas: aquelas que combinam versos maiores ou menores.

Exemplo:

A esposa
Rio de Janeiro, 1933
Vinicius de Moraes

Às/ ve/zes/, ne/ssas/ noi/tes/ fri/as/ e e/ne/voa/das (12 sílabas poéticas)

On/de o/ si/lên/cio/ nas/ce/ dos/ ruí/dos/ mo/nó/to/nos/ e/ man/sos (16 sílabas poéticas)

E/ssa es/tra/nha/ vi/são/ de/ mu/lher/ cal/ma (10 sílabas poéticas)

Sur/gin/do/ do/ va/zio/ dos/ meus/ o/lhos/ pa/ra/dos (12 sílabas poéticas)

Vem/ es/piar/ mi/nha i/mo/bi/li/da/de. (9 sílabas poéticas)

Aproveite para conferir a nossa videoaula relacionada ao assunto: